Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Teenage Dirtbag

evoluir

por Inês, em 25.11.15

Faz parte de qualquer individuo a evolução como pessoa. Tomava-a, ou tomo-a (estou confusa), como natural mas, sendo brutalmente honesta e crítica, tenho questionado a pessoa que sou, neste momento, em demasiados aspetos. Aviso que tudo o que direi para a frente não passam de "acho's" e "penso's" mas nem sempre, só às vezes, vezes que nem deviam existir. Vejo-me, neste preciso momento da minha vida, como alguém que já foi uma pessoa melhor, para mim própria e na consideração pelos outros. Já fui mais altruísta quando a inocência e ignorância de criança ainda estavam bem presentes na minha essência, sobretudo, moldada pela minha mãe que me orientava todos os pensamentos. Depois cresci e foi-se um bocado. Tornei-me mais egoísta numas coisas, menos noutras também é verdade. Já fui muito mais responsável do que hoje em dia. Deixo os trabalhos e estudos tooodos para a última, vou dormir para as aulas, tenho a capacidade de concentração de um peixe e detesto ser assim! Deixei o exercício físico e vou mantendo uma alimentação mais ou menos saudável como muitas asneiras pelo meio. Sinto o peso da universidade a cair sobre mim e eu a não reagir, ou reagir tarde e mal. Sinto que não estou preparada para isto, que é demais para mim. Primeiro ano era estudar e ter testes, over and over again. Mas isso acabou. É preciso avançar de nível, evoluir, ser mais e melhor e eu ainda não estou nesse nível. Tenho medo desse nível. Estava bem onde estava. Sei que é a sair da zona de conforto que a gente cresce, tirar um curso é ainda pior que isto mas não quero, não me apetece, não me sinto like it. Estou farta da universidade, farta da rotina, farta das coisas que me desiludem sempre que olho para elas. Quero passear, sair daqui, sair, sair, sair. Fazer coisas diferentes. Quero ser melhor mas estou farta, farta, farta de tudo isto. Quero uma pausa. Pausa na vida. Dormir o dia todo, ver as nove temporadas de big ang theory de uma vez como se fosse a primeira vez, quero tanta coisa. Mas tanta.