Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 26.

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 26.

02 de Junho, 2012

"Apreciação Crítica"

Inês

Aquele primeiro livro que me empurrou para um abismo de leituras incessantes e viciantes chamava-se "Crepúsculo". Não tinha ouvido tal palavra até então mas rapidamente me inteirei do seu significado: o momento antes do anoitecer, da escuridão. O fascínio pelo impossível e pela eternidade consumiu-me durante semanas. A história de dois jovens tão especiais e profundamente apaixonados um pelo outro desenrola-se do "Crepúsculo" ao "Amanhecer" e faz-nos deprimir quando nos apercebemos que esse sentimento tão belo pode nunca nos encontrar.

Bella. Aquela que podia ser qualquer uma de nós e, ao mesmo tempo, nunca seria apenas uma de nós. Reservada, frágil, determinada... Mas, sobretudo, apaixonada por esse tal Edward que entra na sua vida e a muda para sempre. Aos dezoito anos toma a decisão que muda a sua vida. Deixa o mundo dos humanos e abraça a eternidade. Arrepende-se todos os minutos de ter de deixar o seu pai - com o qual sempre manteve uma relação especial - para trás. Uma parte da sua alma é consumida por isso, a outra, diz Edward, desapareceu quando Bella se transformou. A inocência, a generosidade, a pureza, tudo foi para o Inferno, segundo ele. Mas Bella continua a não acreditar. Para ela, basta ser um ser bom.

Esta história foi-me apresentada por uma professora há uns anos atrás que também ela sucumbia a este mundo fantástico. Agora, é a minha vez de o recomendar a todos que procurem algo novo e cativante para vos acompanhar durante uns tempos de puro suspense e paixão. E aproveitem para o ler hoje e não amanhã. Nós não temos a eternidade...

 

Este foi o testo que eu redigi para o último teste de Português. Era-nos proposto uma apreciação crítica em que apresentassemos o livro que mais nos marcou. A escolha foi rápida. Crepúsculo sem sombra de dúvida. Tentei fugir ao máximo daquele cliché de humana e vampiro por isso mesmo nunca utilizei tal palavra. Dei ênfase à magia e à paixão que foram, para mim, as coisas que mais me cativaram. Espero que gostem :)

5 comentários

Comentar post