Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

29 de Junho, 2013

Este mês - Last Goodbye

Inês

Junho está a acabar e com ele acaba a melhor temporada da minha vida até agora. Desde meados de Janeiro/Fevereiro que os meus dias conheceram um sabor diferente. Vivi momentos felizes. Toda a minha vida esperei por eles e, finalmente, chegaram. Grande parte deles foram vividos ao lado da Amelie que partiu hoje para o seu país de origem. Liguei-me à Amelie de uma forma como nunca me tinha ligado a ninguém. Aproximei-me dela de uma forma muito forte. Talvez demasiado forte tendo em conta que o seu tempo perto de mim estava contado. E pode dizer-se que a distância não conta e grandes e verdadeiras amizades sobrevivem a qualquer tipo de separação física mas caramba! a distância conta claro! A proximidade de duas pessoas contribui para o crescimento das relações e é diferente vermos todos os dias uma pessoa ao vivo perto de nós do que vermos essa pessoa a partir de um ecrã de computador. Mas, como disse, a estadia da Amelie cá em Portugal estava tão planeada como a sua partida. Mas custa. Custa tanto! Ter consciência da incerteza que existe em voltar a ver uma pessoa que conquistou um lugar tão especial em nós custa muito mesmo. Este mês teve realmente momentos fantásticos (muitos!) mas teve também momentos mesmo baixos, talvez também dos mais baixos que já tive. Aquele fim-de-semana a seguir ao fim das aulas foi, verdadeiramente, baixo. É a palavra que mais se adequa ao meu estado de espírito da altura. Estava completamente apática, triste, capaz de qualquer coisa para as aulas não acabarem, capaz de quase tudo que me garantisse que voltaria à rotina de ver aqueles dois rostos todas as manhãs. Felizmente, essa nuvem negra passou. As três semanas que se seguiram foram super fixes. Dias inteiros passados fora de casa, na cidade, perto da praia ou no Porto. Ocupadíssimas. Garanti que isso acontecia. Porque assim tudo se tornava mais fácil. Agora o mês acabou. A Amelie está a mais de dois mil kms de mim e o Lid a cerca de quinhentos. Naquele fim-de-semana que descrevo em cima, este cenário traduzia-se numa simples miséria para mim, num verão de merda mesmo. Mas agora, a minha cabeça já não pensa assim. Encaro esta situação como um positivismo e um naturalismo que há uns tempos era impensável. Já escrevi uma lista de coisas que quero fazer. Estou ansiosa por as pôr em prática. Quero ocupar este verão e fazer coisas mesmo fixes e que resultem mesmo bem. Vou-vos atualizando sobre este meu projeto 'a fazer no verão 13'. Até lá fiquem fixes!

E sim, estes posts um bocado tristes e que mais parecem pertencer a um diário deverão ficar por aqui. Avizinham-se posts mais alegres!