Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

12 de Dezembro, 2013

Dilema (resolvido)

Inês

É o seguinte: atualmente, tenho duas entradas por semana no ginásio mas quero mudar isso. Não sou pessoa de ginásio, já entendi isso, já tive a minha experiência, estou a ficar fartinha daquele espaço. Basicamente, é um pesadelo para mim pensar que lá terei que passar duas horas, logo, há que mudar. Há que mudar tem sido o meu lema. A frase que mais tenho repetido, sem dúvida. Ainda estou para entender se é dos melhores lemas para se ter. Continuo a acreditar que sim. Anyway, tenho duas opções disponíveis e preciso de ajuda para me decidir. Posso passar de duas entradas para apenas uma por semana. Ou posso sair do ginásio e inscrever-me nas aulas de dança do ventre lá do sítio. Acho que nunca vos tinha contado: uma das minhas grandes paixões, se não a maior de todas, é a dança do ventre. Desde os meus nove anos que sou apaixonada por este tipo de dança que a minha Shaki me deu a conhecer. Desde então que a tento imitar ao máximo, videoclipes, atuações, etc. Para além dela, passo também por outras grandes dançarinas que espalham a sua magia no youtube. Definitivamente, é a minha paixão. Secreta, devo dizer. Não falo disso nem deixo que outras pessoas me vejam a dançar. Nem família. Simplesmente, sentia-me um pouco embaraçada a dançar tal coisa com gente a assitir. A dimensão sensual e até sexual que a sociedade atribui a estes espetáculos e até o que as mulheres que o dançam transmitem, faz com que seja essa a imagem que a dança do ventre tenha. Acho que cada vez mais essa imagem vai desaparecendo, cada vez mais são as mulheres que dançam, há cada vez mais locais onde aprender porque, no fundo, há um interesse crescente nas danças orientais. Continuando, decidi inscrever-me o mês passado num workshop intensivo. Aproveitei a promoção e admito que estava cheia de curiosidade para saber a que nível estava e o que poderia aprender se levasse este hobby mais a sério. Posso dizer que gostei do resultado final. O grupo em si não era particularmente simpático e bem-disposto mas atribuo isso às poucas aulas que tivemos e, ir para lá, a cada aula, não me deixava especialmente entusiasmada ainda que gostasse imenso de lá estar, de dançar, de aprender, de ver a prof a dançar e me sentir bastante confortável. Agora que o workshop acabou, a oportunidade de entrar nas aulas fixas impõe-se. Sinto que, se fosse para a frente com a dança do ventre e a levasse realmente a sério (se entrasse, não poderia ser de outra forma; com uma prof sempre em cima de nós, não há por onde escapar e isso agrada-me porque me obriga a progredir), podia tornar-me, finalmente, boa em alguma atividade. Tentei o volei, não resultou. O ginásio igual. A zumba foi deixada para trás. Não consigo manter-me em nada. A motivação é a chave e, infelizmente, eu não tenho motivação suficiente para fazer estas coisas sozinha. E era assim que estava. Mas com a dança do ventre é diferente. É uma coisa minha apenas e é uma coisa que me dá gosto e me interessa, já lá vão oito anos. É imenso tempo! Não desvanece assim num instante. E considero também que só agora, com dezassete anos, faz sentido empenhar-me nisto e só a partir daqui, me posso tornar verdadeiramente boa nisto. Para qualquer desporto ou mesmo tipo de dança convém começar com tenra idade mas o mesmo não se posso dizer acerca da dança do ventre. É algo para mulheres, não meninas. E isso é outro ponto a favor da minha segunda opção. Ui, que isto já deu um texto tão grande. Tinha pensado apenas em duas linhas com as minhas duas hipóteses mas alonguei-me. No meu interior, acho que a resposta é mais que óbvia mas ainda assim, desistir completamente do ginásio deixa-me algo triste porque, mais uma vez, desisti, não cumpri os meus objetivos e fui fraca perante algo que planeei levar a cabo. Mas, mais uma vez, o que importa é fazer o que me deixa melhor no momento e se há uns meses, o ginásio o fazia, agora não o faz. Well acho que depois de tanta coisa já não tenho qualquer dilema. Pronto, decisão feita.

1 comentário

Comentar post