Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

17 de Dezembro, 2013

Queen B is back

Inês

Como apreciadora da cultura pop atual que sou, gosto sempre de estar atualizada acerca de tudo o que se passa neste mundo, principalmente o da música. A Beyoncé, grande artista dos dias de hoje, voltou de surpresa em força e cheia de novidades. Para começar, voltou de surpresa, literalmente. Não avisa ninguém e lança da noite para o dia umas quantas músicas online. Depois, cria um novo conceito de lançamento do álbum ao disponibilizá-lo, primeiramente, apenas na internet. E este conceito engloba um novo significado: o álbum visual, valorizando bastante a parte visual das músicas. A explicação da própria Beyoncé é clara: a música hoje em dia vive-se de uma forma completamente diferente; os singles são subvalorizados e tornados em produtos comerciais enquanto que as outras músicas que compõe os discos são esquecidas. Os videoclipes, acabam por ser, grandes rampas de lançamento e objetificam de certa forma tanto a música como os cantores, determinando o sucesso de um certo trabalho musical. Tendo isto em conta, ela decide fazer de todas as músicas do álbum, singles e, dar-lhes, sem exceção, videos que tornem o trabalho final, mais que música, num autêntico filme que narra e representa as diferentes histórias das canções. A ideia é nova e só por isso já mereceu toda a atenção dos media nos últimos dias. Alguns dos vídeos já estão cá fora e também esses prometem sucesso, considerando as visualizações obtidas até agora. Eu devo dizer que estou a gostar bastante desta pequena revolução que ela originou. Uma coisa é ouvirmos e dizermos que a internet veio mudar isto e aquilo mas outra coisa é isso acontecer, literalmente. Uma artista deste calibre, colocar em primeiro lugar a divulgação do álbum online e só tempos depois dar-lhe o corpo físico (coisa que ainda não aconteceu, by the way) é inédito. Na realidade, a indústria discográfica vê o seu peso diminuir a passos largos. Raras são as pessoas que ainda gastam dinheiro em discos, nos álbuns físicos. Ou se faz o download ou se compra online. Quanto às músicas em si, já as ouvi, claro, e vi também os vídeos preview. O resultado é bastante positivo. Podemos dizer que a Beyoncé se manteve fiel à artista que tem sido, mostrando a voz quente, a simplicidade em certos momentos e o luxo nos outros, a sensualidade e sexualidade características, a beleza, os grandes cenários, etc. e, ainda assim, trouxe algo novo, como é o caso do cabelo curto que muda imenso a sua imagem. Para além disso, as colaborações são porreiras (nada de espetaculares mas porreiras). As minhas preferências recaem sobre precisamente as duas músicas dos dois primeiros vídeos: XO e Drunk In Love. De facto, a apresentação visual de algo faz-nos dar bastante mais atenção a esse algo e faz-nos gostar mais comparativamente às outras coisas que nos são apresentadas. Well, foi uma ótima jogada da parte dela e acho que constitiu também uma bela jogada para agitar todo este mundo da música e promover as novas invenções, estratégias e ideias.