Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

28 de Julho, 2013

Happy fool

Inês

Então aqui vai: eu e o Lid já não namoramos. Trinta e cinco dias a seiscentos kms de distância revelaram-se fatais e terminaram com o que havia entre nós. Na verdade, nem foi preciso tanto tempo. Ao fim de duas, três semanas eu já tinha percebido que algo se passava tendo em conta o silêncio do outro lado. De uma forma surpreendentemente positiva, eu estou bem. Ótima arrisco-me a dizer. Esta situação poderia facilmente ter acabado com a minha golden era mas não. E não sei bem explicar porque não. Penso que o facto de não ter havido uma diferença imediata e de termos continuado amigos foi importante. Ele continuará a ser o meu par na viagem medieval (lembram-se que eu participei o ano passado na medieval e adorei e claro que ia participar este ano mas faltava-me o par e então vá falar disto ao Lid ainda antes de pensar sequer nele como namorado). Isto é estranho. Primeiro, porque era impensável pensar, há uns tempos atrás, em dançar com um qualquer rapaz de forma confortável. Na minha cabeça, qualquer situação desse género seria super awkward. Mas agora, mesmo com tudo isto, eu sinto-me bem com ele. Continuo a sentir-me muito bem com ele. Rimos, falamos, partilhamos música e outras coisas. Basicamente, mantemos a mesma relação mas sem a proximidade física. Sinto-me, com o Lid, de uma forma que sempre idealizei sentir-me com um rapaz mas nunca acreditei verdadeiramente que se tornasse realidade. Continua a ser das pessoas mais especiais que passaram na minha vida e alegra-me pensar que assim se vai manter. Como amigo. Especial. Será sempre especial. Amigo até nem será a palavra correta. Ex-namorado também não me soa nada bem. Especial assenta bem. É aquela pessoa especial. Gostava que o algo de especial que tínhamos entre nós tivesse durado muito mais tempo. Dois meses, sendo que não considero um deles de namoro em condições, sabe-me muito a pouco. Ainda havia tanto para fazer com ele, para viver com ele. Claro que, sendo amigo, ainda poderei fazer algumas dessas coisas mas já não será o mesmo. Passei estes últimos dois dias com ele por causa dos ensaios para a medieval. Horas e horas ao lado dele. Era o que mais ansiava e agora, finalmente, que este momento chegou é tão estranho não poder abraçá-lo, tocar nele, beijar aqueles lábios. Tanta coisa que desejava fazer! Tenho que fazer um esforço para manter a distância e noto que ele também o faz. É esquisito manter a distância assim de uma pessoa com a qual já fomos tão próximos. No meio daquelas aquelas horas todas que passamos juntos neste fim-de-semana houve coisas que me deixaram confusas. Por um lado deixaram-me bem mas com um sentido de 'esperança' (não encontro palavra melhor mas acho que esta é demasiado forte) que pode ser muito mau. Mostrou-me uma música (que deixo aqui em baixo para ouvirem) que cantou baixinho enquanto estávamos encostados apenas por um ombro mas que já me fez querer saltar-lhe para os braços e enchê-lo de beijos. Não sinto, sinceramente, que a nossa história tenha acabado. Admito que não quero o seu fim. Não quero parecer parva, ridícula nem demasiado adolescente mas não quero, mais que tudo isto, o fim. E talvez isso também explique este meu espírito pouco em baixo. Seja como for, há demasiado em que pensar e fazer para estar agora a deprimir. Como já se tornou hábito, a semana que se segue está mais que preenchida. Entre ensaios para a medieval, uns dias na serra da estrela com o meu irmão, primeiros dias de trabalho na loja, a quarta edição da minha feira e a viagem medieval em si prevejo pouco tempo para respirar e ficar triste. Por mais contrastante que isto pareça, tendo em conta este post, continua a ser o melhor verão de sempre.

 
E, à falta de título melhor (pensei que me fartei) ficou happy fool porque esta expressão não me tem saído da cabeça. Só isso.
25 de Julho, 2013

Belo Dia de Praia

Inês

Depois de um dia de grande agitação em termos emocionais (tenho que vos contar por uma questão de coerência se já que foi um assunto bastante exposto aqui no blog mas fica para outro dia), como sempre, eu saiu de casa e parto para casa da Diana onde a agitação saudável da grande família dela não me deixam pensar demasiado. Hoje o plano era praia e foi mesmo bem aproveitado. Estava-se mesmo bem. Um calor na medida certa, boa companhia, gente quase nem vê-la (escolhemos sempre as praias mais desertas). Foi o primeiro dia de praia a sério deste ano e soube mesmo bem. O meu dia de amanhã vai ser qualquer coisa de esquisito. Logo vos contarei (quando tiver vontade para tal). See you then!

23 de Julho, 2013

Arrranjeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeiiii Traaababbbalhhooooooooooo!!!!!!!

Inês

Yyeyeyeyeyeyeeyeyey!!!! Estou tão contente. Arranhei trabalho! Numa das lojas aqui da terra onde eu tinha deixado o curriculum já há mais de um mês! Tenho falado com as donas sobre isto já que elas nunca mais respondiam e no último sábado, numa das minhas feiras em que elas participam, voltei a falar no assunto e pela conversa delas já fiquei bastante satisfeita. Hoje recebi a confirmação! Ainda tenho poucas certezas mas não vou ser esquisita nem exigente. Em principio trabalharei quintas e sextas da parte da tarde, receberei um salário base (que deve ser mínimo) e ganharei comissões (ganho uma percentagem do que vender). Para mim, está perfeito! Não gasto em transportes. Tudo o que ganhar é meu. Disse que poderia começar a trabalhar já para a semana o que não assim tão perfeito para mim já que é para a semana que começa a viagem medieval e tinha pensado passar lá os meus dias mas esta oportunidade apareceu e não a quero perder de forma alguma. Também são só dois dias por semana. Não se pode dizer que seja um esforço grande. Pronto! Estou feliz porque alcancei uma das coisas que tinha pensado para este verão. Arranjei trabalho. Vou ocupar o meu tempo, ganhar experiência e dinheiro.Não é o trabalho que eu tinha idealizado num restaurante perto da praia mas é muito bom também e é real o que supera qualquer ideia que eu tenha tido.

 

Aproveito também para falar do meu entusiasmo quando vi o segundo trailer do Catching Fire!!! Está awesome! Muito awesome mesmo!!! O pânico, os vestidos, o vestido de noiva que se transforma em mockinjay. Está tudo tão brutal! E muito fiel ao livro o que é ainda mais awesome. Adoro. Adoro. Adoro.

23 de Julho, 2013

StayAwayFromHome

Inês

E aqui está o blog com uma nova cara e um novo nome. Há blogs que têm o mesmo nome a vida toda e outros consegue ainda manter o mesmo layout sempre. Eu não. Há momentos em que me apetece mudar este meu cantinho. E a mudar, muda-se tudo (ou quase!). Foi a semana passada depois de uma caminhada que surgiu na minha mente a expressão 'Stay Away From Home' e deu-se naquele instante o clique. Era o nome perfeito. Combina perfeitamente comigo nesta altura. O querer andar sempre fora de casa a viver, a ser feliz.

22 de Julho, 2013

Música - Era disto que eu precisava!

Inês

Estava a ouvir rádio (tenho ouvido muito rádio ultimamente. fartei-me das minhas playlists e por isso mudei para as da rádio. a verdade é que a rádio acaba realmente com algumas músicas de tanto as tocar) e ouvi esta música. Adorei e pesquisei e agora está em modo repeat. Tenho também ouvido Richie Campbell. Gosto muito também!



19 de Julho, 2013

Bday

Inês

Tenho que ir dormir. Mesmo. Mal me aguento. Mas vou fazer o esforço de vos contar como foram os últimos dias porque quero. Agradeço desde já todos os parabéns que por aqui recebi. Sabe muito bem ler tantas palavras de atenção e carinho na blogosfera. Pois então, fui para a praia na quarta mas, como devem ter reparado, o tempo não colaborou e eram três da tarde quando eu e a Cat levantamos a toalha todas arrepiadas já de casaco vestido. Sim, levamos casaco para a praia! Rumamos até à gelataria e lá foi um belo dum gofre que sabia mesmo a paraíso. Eram seis quando a minha mãe veio-nos buscar e seguimos até casa já na companhia da minha querida Di. Chegámos e tudo teve que ser muito apressado porque algo de especial se passaria no jantar. Preparamos tudo, pizzas a aquecer, mesa toda bonita na sala, os tios mais próximos chegam, começamos a jantar e recebo uma visita muito mas mesmo muito especial, atenciosamente trazida até à minha casa pelos esforços da minha mãe e da Cat e da Di. A Amelie, na Alemanha, e através do skype quase que se sentou à nossa mesa e fez-nos uma companhia tão boa como só ela consegue fazer. O momento mais feliz que me deu mesmo aquela sensação de 'ok. isto é perfeito' foi quando me cantaram os parabéns. À frente tinha o bolo de aniversário feito pela minha Di (de chocolate húmido diga-se, e mais que delicioso), dos lados estavam a Cat e a Di, a minha mãe, o meu irmão e os meus tios em volta e para completar, a Amelie dentro do pc a cantar e a bater palmas. Foi tão bonito. Tão bom. Seguiu-se o bolo e a arrumação do espaço. Depois, o meu irmão partiu e os meus tios também. Então, eu, a Di e a Cat transforma-mos a minha sala numa disco. Luzes apagadas, sistema de luz a piscar como nas discos (que a Cat tem no telemóvel), música apropriada e dança para a frente! Dança e não só. Brincadeiras no chão, com o puff, setas, etc. Uma loucura muito saudável. Depois, já íamos para as duas da manhã, saímos de casa procurar um gato que não parava de miar (contra a minha vontade mas depois explico) e acabamos por não encontrar gato nenhum e então sentamo-nos na paragem dos autocarros, mais uma vez só na brincadeira. Acenar aos poucos carros que passavam (o que é um tanto ou quanto perigoso mas super divertido) e a Cat, como sempre com mais energia, a dançar quase no meio da rua. Quando voltamos para casa, fizemos uma cama gigante no chão, vimos ainda um episódio de shameless e entre conversas mais ou menos 'loucas' adormecemos. Umas horas depois acordamos e fomos levar a Cat a casa. Eu e a Di seguimos para casa de uma colega pois a tarde era de bowling com os colegas da Di. Lá fomos. Foi divertido sim senhora. Imaginem quem ficou em último lugar? Eu pois claro! Já estou habituada xD Depois de mais uns matrecos (onde eu a Di arrasamos, nos matrecos é onde eu me vingo) e outros jogos, voltamos para casa para depressa voltar a sair e ir zumbar! Mais uma horinha de zumba antes de o dia terminar. Por fim, a Di volta a sua casa e eu, depois de um belo banho e umas já quase três horas no pc, vou dormir porque estou mesmo cansada mas não queria passar mais um dia sem contar todas estas novidades porque depois esqueço-me das coisas e isso é que não! Amanhã pensava que podia descansar mas afinal não. Ligaram-me há pouco e só me dão trabalho mas isso fica também para outro post. Mais uma vez obrigada e até ao próximo momento que eu tenha tempo para respirar.

 

Só mais uma coisinha! Sabiam que o Lid volta daqui a uma semana? Vinte e sete dias passaram a correr. Já só faltam sete! Já só faltam sete!!

17 de Julho, 2013

17

Inês

Faço dezassete anos daqui a mais ou menos dezoito horas se quisermos ser precisos mas, na verdade, o pessoal já me começou a dar os parabéns pois já é dia 17 de Julho. É dia 17 e eu faço 17 anos. Que alegre coincidência. Só por isto já é especial. 17 anos. Meu deus. Tanto tempo que eu sonhei com isto. Dos 16 aos 17 foi um tirinho. É suposto agora o tempo passar todo suuuuper depressa, certo? Isso é bom sinal. Lembra-me de que o tempo voa quando é bem pensado. É uma verdade. Fazendo uma espécie de introspeção posso dizer que estou muito feliz com estes dezassete anos passados. Não direi mais para não me repetir. E sou mesmo, revi agora o post do ano que escrevi por esta altura. As coisas mudaram. E de que maneira. Este dia, depois de umas belas horas de sono que não tardarão, será passado num dos meus locais favoritos (Espinho!) com a Catarina. Adorava ter neste dia a companhia de outras pessoas também muito importante mas por variadas razões elas não podem e assim sendo espera-me a praia (ou não, com este tempo...) e, se não for mais nada, uma das cidades mais bonitas com os melhores gofres do mundo.

14 de Julho, 2013

Confissão

Inês

Às vezes penso que continuo a mesma triste. Sim, sou muito mais feliz do que há uns meses atrás. Toda a gente vê isso. Nota-se pelo que me dizem. Eu também o sinto claro. O que as pessoas não sabem é que há momentos em que fico a fazer roll down and down nos twitters do pessoal que eu nem conheço mas que, de certa forma, idolatro. Pessoal da escola com quem nunca falei mas que são tipo aquela 'malta fixe e popular'. É isso e imaginar-me a ser um deles ou a pertener a esse 'círculo' e a publicar fotos altamente de coisas random no instagram e a dizer os passos que dou, como me sinto e frases meio filosóficas meio cómicas. E a ouvir música dos anos oitenta e noventa a ver se gosto daquilo porque a a música atual é uma porcaria. Porcaria mas eu gosto. Mas parece que não tenho confiança suficiente nisso e quero à força toda ouvir outro tipo de música. Sou estúpida. Sou uma pessoa feliz e parece que quero sempre mais. Um mais que até não é grande coisa. Ser 'popular' e fazer coisas 'populares'... Desde quando é que isso é sinónimo de mais felicidade comparando com a que já tenho agora? Eles parecem felizes. Enfim! Se tivesse instagram ou twitter ou outra merda qualquer diria que vou agora à aula de zumba mas depois sigo para a beira-mar, para um dos meus lugares preferidos em todo o planeta, e vou-me atirar a um gofre. Só porque me apetece.

Pág. 1/3