Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

30 de Outubro, 2013

Apps

Inês

Vou partilhar com vocês, agora que já passou mais de um mês de convivência com o meu querido smartphone, as minhas apps favoritas. Para além do mail e das redes sociais (sendo que agora deixei o facebook para segundo plano, o instagram convenceu-me mesmo! e também o twitter apenas para seguir os youtubers e outras pessoas; e o whatsapp pois claro! para falar com a minha Amelie), rendi-me a outras aplicações bem úteis! A que uso com mais frequência é MyFitnessPal que consiste numa plataforma onde podemos registar todos os alimentos que consumimos durante o dia e também o exercício físico que fazemos. É bastante simples e útil pois basta pôr uma palavra do alimento ou a marca e ele dá-nos logo uma lista dos alimentos que existem com essas características, basta escolher o alimento certo e já lá estão também os componentes que o alimento tem em si (calorias, nutrientes, vitaminas.. enfim! aqueles rótulos nas embalagens, é isso!). Ao fim de cada dia, a app faz-nos um resumo do dia! Percentagens, metas e estimativas quanto ao peso que poderíamos perder se todos os dias fossem assim. Como disse, gosto muito desta app e recomendo a sua utilização, principalmente às pessoas que, como eu, andam numa de controlar a alimentação. Outra app é o Pulse. Esta serve para acompanhar um conjunto de sites/blogs, ou seja, junta-os numa mesma página e mostra-nos sempre que há posts novos (quando há net claro..). Também gosto muito e por isso é que tenho usado muito menos o pc. Até lá leio os blogs que visito regularmente. Depois tenho também o musiXmatch que vai buscar e descarrega as letras das músicas que temos no telemóvel. Esta app também é muito boa sobretudo pela qualidade. As letras estão corretas e sincronizadas com as músicas. Ainda não encontrei falhas. As animações são muito giras e lá encontram-se quase todas as letras de facto das mais variadas e estranhas músicas. Para além de disponibilizar as letras, tem também o 'encontrador de músicas' (igual ao shazam que é mais popular mas nesta app, esta funcionalidade é apenas uma parte e há muito para além disso) e é, basicamente, um leitor de música, podemos contruir playlists e isso tudo. E tem montes de informações acercas das músicas. Basta ter a música e a app encontra tudo o que há para encontrar sobre essa música. Ah! E outra coisa fantástica que é o bloqueador de ecrã personalizado. Enquanto estás a ouvir música, esta app bloqueia o ecrã mas, sem o desbloqueares completamente, podes trocar de música ou pôr em pausa. É realmente interessante. Tenho também uma outra app mais pedagógica que ensina línguas. É o 50 Linguages. Neste momento, estou a melhorar o meu espanhol (cof cof cof, como se eu já soubesse alguma coisa de jeito de espanhol). Quanto a jogos, apenas o Subway Surface me conquistou e apenas nas horas de ginásio (ahahah é ver-me ali a caminha na passadeira como se estivesse a subir uma montanha e a desviar-me de coisas que só existem no joguito, um dia vou mesmo cair e fazer uma figura muito triste). A Banca de Jornais aqui do Sapo e a app da Visão são também porreiras para me manter informada e saber das primeiras notícias, principalmente logo ao nascer do dia. E quais são as apps que utilizam vocês com mais frequência?

29 de Outubro, 2013

Quando pouco mais se aproveita...

Inês

O meu humor negro anda em alta.

Estávamos na aula de Geografia a indicar situações que fossem frequentes nos países pouco desenvolvidos e lá calha a minha vez:

- baixa escolaridade de crianças, jovens e adultos.

Luís: Então e os idosos, Inês?

Eu: Não há muitos nesses países..

e digam lá que não é verdade? O pessoal lá se viver até aos quarenta anos já é uma sorte!

27 de Outubro, 2013

Ontem saí

Inês

O dia foi uma treta. Já é hábito na verdade. Fiz umas coisas que tinha planeado e nos entretantos consegui chatear-me ainda mais com a minha mãe e arranjar duas belas discussões com o meu pai também. Lá fui para o sitio do costume (onde toda a gente vai ao sábado à noite) e, tal como o dia, a noite não valeu. Quase mais valia ter ficado em casa. E isso é difícil. Muito difícil e mau. Well, tudo isto está a ser uma merda.

25 de Outubro, 2013

Tempo

Inês

Inscrevi-me hoje na equipa de volei da escola. O que se passa é que iniciei este ano com cinco tardes livres que pareceram o paraíso no primeiro dia de escola. No segundo e terceiro, fiquei mais que deprimida por ter tanto tempo livre e aproveitá-lo na maneira mais inútil de sempre: a dormir. No final dessa primeira semana, tomei a decisão de ocupar os meus dias. Trabalho, ginásio, desporto escolar e estudo eram as opções. No ginásio lá comecei logo desde os primeiros dias de outubro. O estudo também foi sendo feito. E, hoje, chegou o dia do volei. Este primeiro treino foi uma treta. Era a único e deu apenas para mostrar a minha falta de jeito à professora. Nada muito preocupante. Esse momento tinha que chegar. A questão deste post é que dessas cinco tardes livres, zero mantiveram-se livres. Das sete da manhã às seis da tarde, o dia é inteiramente passado longe de casa. Mochila às costas, livros e roupa de física lado a lado. Kms feitos para trás e para frente de uma ponta à outra da cidade. Tempo dentro da escola é o mínimo possível, estar dentro daquele recinto deixa-me no meu ponto mais baixo. Mesmo fazendo todas estas coisas que são novidade, sinto-me triste. A verdade é que faço tudo isto sozinha. O pessoal da minha turma vai todo embora. A Diana tem aulas e, sinceramente, não tenho vontade de ir ter com pessoas que conheço minimamente lá da escola. Não tenho companhia para nenhuma destas atividades. Ando por aí fora comigo mesma. Pensava que não seria problema mas é. Estar rodeada de amigos é a melhor coisa do mundo e se há uns meses, tinha descoberto esse facto a que apelidei de 'remédio', hoje em dia, ainda que o saiba, não sei como o obter. A Di lá está nas suas aulas com o seu pessoal. A Cat anda ocupada com as suas aulas de condução e portanto não quer saber de mais nada. A Amelie que me acompanharia, sem dúvida alguma, está a milhares de kms de distância. As opções esgotam-se e eu continuo sozinha. Sozinha dentro de casa ou fora dela? Eis a questão. Que se lixe. Dentro de casa tenho todo o tempo do mundo para estar depois disto. Tenho um ano mais de secundário. Deve ser melhor aproveitar todas estas atividades enquanto cá estou. Deve.

22 de Outubro, 2013

E quando pensas que o teu dia acabou

Inês

e te podes vingar do longo dia no computador, televisão, sofá e cama (que rotina maravilhosa!) eis que a tua consciência te avisa que há uma hora de zumba para fazer. Lá vou eu, pronta para mais uma aula de saltinhos e passinhos com vinte e tal mulheres de meia-idade à minha frente pouco coordenadas.  A alegria não é imeeensa. Tinha a Diana para vir comigo antes mas agora vou sozinha e isso não é muito emocionante. O que mais pesa é mesmo a consciência e a sensação de 'obra feita' sem qualquer pingo de culpa que vem depois. Isso vale muito. Para além disso, naquele grande auditório não dá para pensar em ti, no teu dia, nos problemas nem nas coisas boas. O ritmo não deixa nem a música alta nem os gritos e berros que algumas senhoras entusiasmadas vão dando. É zuuuummmbaaaaa prá frente!

21 de Outubro, 2013

Ouve-se deste lado

Inês

Como devem ter reparado, a minha presença aqui no blog decresceu um pouco e eu culpo o smartphone! Uso muito menos o computador agora, faço por lá quase tudo, sigo os meus blogs de eleição e tudo o mais mas escrever textos é que não! Vou adiando posts e posts para um tempinho que tenha aqui neste teclado tão jeitoso do portátil e tenho tantas ideias! Vão vindo, não se preocupem! Para já, fiquem com as músicas que rodam na minha cabeça agora. Andei fixada na Impossible do James Arthur nos últimos dias mas fixada mesmo! Identifico-me imenso com alguns dos versos que a música canta (identificar-me desta forma é coisa que ainda não me tinha acontecido) e a atuação dele, a sua força, são fabulosos. Fiquei vidrada nesta atuação. E dele, gosto tudo! Já conhecia a famosa versão à guitarra dele da 'I'm Sexy And I Know It' e agora gosto muito também da 'Make You Feel My Love' com a Nicole. Por agora, é tudo.

21 de Outubro, 2013

Combater o que nos faz mal

Inês

Sou defensora de que devemos fazer tudo ao nosso alcance para ficarmos satisfeitos com a nossa vida. 'Muda de vida se não vives satisfeito' é bem verdade! Porquê contarmo-nos com o que não nos faz bem, o que nos deita para baixo, o que, simplesmente, não faz bem nem mal, o que nada faz? É das piores decisões que podemos tomar. Estamos aqui para viver ou para ver os outros viver? Pois bem, há que aproveitar esta inspiração e força de vontade que, de vez em quando, me assalta e mudar! Andaram umas coisas a acontecer deste lado mas, ao mesmo tempo, sinto que nada aconteceu. A insatisfação, ou não contentamento, com a vida que levamos é, para mim, das coisas mais tristes pelas quais podemos passar. Pior ainda quando temos uma vida que, a maior parte e mesmo nós, noutra altura, consideraríamos uma bela de uma vida! Praticamente, tudo o que faço é porque gosto e quero fazê-lo. Também não interpretem isto como se eu fizesse tudo o que me desse na cabeça, sou ponderada e sensata nas vontades que tenho. E há coisas que às vezes custariam um bocadinho para mim fazê-las mas eu arranjo maneira de as tornar mais simples e apetecíveis. Por exemplo, tardes a estudar, não me agrada nada nem pensar nelas! No entanto, se estivermos a falar de uma tarde bem passada num salão (entenda-se cafezinho com um estilo muito clássico, música do género e clientela que ronda aquelas senhoras e senhores importantes que mesmo com os seus setenta se embelezam com gosto) perto da escola com o devido cafezinho, a matemática vai muito melhor! Há que encontrar as melhores opções para nós, as que mais nos convêm, as que mais gostamos e que, portanto, não nos custarão tanto ou até se tornarão coisas que ansiamos fazer! Acho que qualquer pessoa, independentemente da idade, concordaria com isto que transmito mas apenas uma parte o põe em prática na sua vida. Sei-o porque o vejo na minha terra, na minha escola, na minha família. Aproveito também para vos dar a conhecer a nova Inês no que diz respeito aos hábitos saudáveis. Já ando nesta 'luta' há mais de um ano e é como tudo: há fases em que fui mais ativa fisicamente e outras em que nem tanto e o mesmo se passa com os hábitos alimentares. Sempre tive presente na minha consciência que o que fazia não era suficiente e essa culpa não me abandona desde então. Estou farta de a ter! Quero tornar-me aquele ser saudável que tanto ambiciono. Custa e muito. Infelizmente, tenho em mim duas coisas que não são nada boas: a falta de motivação em fazer desporto e o gosto imenso em comer aquelas comidas tão boas e calóricas que só fazem mal. Há que combater isso. Obrigo-me, agora, a manter uma alimentação mais saudável e também a ser ativa através de uma coisa que vos revelo: inscrevi-me num ginásio. Agora que paguei, sinto-me na obrigação de lá ir utilizá-lo na sua plenitude. So far o saldo é positivo. E ainda planeio inscrever-me no desporto escolar lá na escola. Volei ou badminton são as opções. Escusado será dizer que não jogo nada de jeito de volei mas isso seria outra vantagem a retirar desta experiência: aprenderia a jogar melhor. No badminton sinto-me mais à vontade e por isso gostaria mais de o jogar mas não teria tanto o espírito de equipa que é uma coisa que procuro. Tudo isto com o grande objetivo de mudar os grandes defeitos que tenho. Não é um processo fácil, tem fases, umas positivas outras negativas mas o que importa é que está a andar. Estou a combater o que me faz mal e aconselho todos a fazerem o mesmo.

18 de Outubro, 2013

Ontem

Inês

Meti conversa com rapaz random na camioneta. Tive a sorte (!) de ser único lugar disponível e então, num dia bastante mau em que ouvi o que tinha que ouvir para agir (deixar de me isolar e abrir-me mais para os outros), lá mandei umas frases para o ar e felizmente!! ele deu continuidade à conversa. É bom conhecer gente nova. Talvez deva destacar o facto de não ter ficado a saber o nome dele nem ele o meu. Acho que ultrapassamos esse primeiro ponto sem querer e talvez não encontre mais nos próximos tempos mas até não me importo. Fiquei contente por fazer algo novo. Fiquei tão contente!

14 de Outubro, 2013

Hoje

Inês

dei alto trambolhão no meio da rua. Daqueles que ainda te tentas equilibrar e dás uma espécie de passos para o lado já em plano inclinado e depois de uns metritos, pumba!, a tua cara vai de encontro ao chão, completamente de lado, qual queda com classe! Foi a coisa mais desajeitada que já vi! Não é que tenha visto porque enfim!, quem está dentro da cena não consegue ter uma visão assim muito abrangente. Pensava eu que o maior dos males era uma mão raspada mas quando vou ver, eis que dum lado das calças toda uma mancha cinzenta esverdeada se destaca. Pronto. Foi das coisas mais interessantes que aconteceram hoje. Ah! Claro que estava gente da escola a ver. E a rir. Mais me ri eu, desde esse momento até agora!

Pág. 1/2