Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 26.

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 26.

14 de Janeiro, 2014

Cara Lavada

Inês

O Natal passou assim como o visual natalício que ainda se sentia neste blog. Isto ainda não está perfeito (quero eliminar o espaço ali em cima do cabeçalho e eliminar também a coluna da direita mas como não descobri como se fazem tais coisas, aguardo a ajuda do sapo) mas há-de ficar!

 

E ficou! :)

14 de Janeiro, 2014

Prezi

Inês

Uma dica para os que têm apresentações pelo caminho. Sejam criativos e inovadores! De powerpoints já estamos todos fartos. Melhor que isso é um programa online chamado Prezi onde podemos criar apresentações super atrativas e apelativas. A variedade é muita. Entender o funcionamento do programa pode parecer complexo, no inicio, mas rapidamente nos acostumamos. Fica a dica! :)

12 de Janeiro, 2014

Saber o nosso lugar

Inês

Até ao nono ano, eu era aquela com que todos queriam fazer os trabalhos de grupo. Os trabalhos apareciam feitos, e bem feitos, qual magia!, no dia de entrega e quem não gosta disso? Eu também não me queixava muito porque prefiro ser a fazer as coisa, do jeito que as quero fazer, como acho que ficam melhores, sem ninguém a opinar por fora. Um dos grandes problemas que tinha era aceitar com muita dificuldade a opinião dos outros e as suas sugestões se o que estava em questão importava. Agora, já não é assim. Aprendi que, se queremos ser bem recebidos e tidos em boa consideração pelos nossos colegas, temos que deixar as outras opiniões entrarem e influenciar o que fazemos. Podemos achar que não é o melhor e termos ideias mais porreiras mas nem sempre, as nossas, podem prevalecer e há que compreender isso. Prefiro ter um resultado final não tão bom e um belo tempo passado com pessoas fixes que gostam de estar comigo do que ser 'odiada' por todos por não aceitar sugestões de ninguém mesmo que tirasse um vinte. Coisas que se aprendem.

11 de Janeiro, 2014

A minha relação com as camionetas

Inês

Eu e essas criaturas ambulantes iniciamos uma relação há mais de três anos. Até então, só as via ao longe. No inicio, foi uma relação complicada. Não me habituava aos seus hábitos e contestava-os imenso. Diversas discussões foram tidas acerca desses horários que pouco jeito me davam. Depois, lá arranjamos uma solução que servisse para os dois lados. Desde há um ano, que a nossa relação subiu uns três ou quatro níveis tanto para o bom como para o mau. Já esperei horas por uma; também já esperaram por mim no meio da rua; já corri atrás de umas quantas; já me levaram a sítios que nunca tinha visto; já, numa só viagem, andei em três ou quatro para chegar ao meu querido destino; já apanhei grandes chovadas por causa destas amigas; já senti o desconfortável que é estar dentro de uma lata de sardinha, esteja um calor infernal ou a chover a potes; já fiquei a pé umas quantas vezes; já cheguei à noitinha a casa por me ter deixado mal, à beirinha da estrada, literalmente. Ai! Se os meus pais ou irmão soubessem! Andar sozinha estrada fora? Nunca na vida! Lá pensam eles. Às vezes, lá tem que ser. Uma montanha de aventuras que, tão depressa, não esquecerei e que sempre recordei com um sorriso ou gargalhada. Viva la vida!

06 de Janeiro, 2014

E à terceira é de vez!

Inês

Estas minhas lutas interiores noturnas com o meu subconsciente ainda não findaram. Ontem, estava eu preparada para dormir pelo menos umas seis horas, mas outro plano estava reservado para as horas que se seguiram! As três horas da madrugada chegam e eu avanço para os planos B e C. Primeiro, um documentário, escolhido para me dar aquele sono que só os documentários me dão, mas, veja-se lá, falavam sobre as mega stores dos EUA. Que tema interessante! Mesmo, pelo menos para mim. Entretanto, lá troquei a televisão pelo livro que filosofa acerca do Médio Oriente. Também não foi suficiente. Rendi-me à culpa por não ter trabalhado o que tinha planeado nas férias e atirei-me ao trabalho de economia atrasado. Políticas pela madrugada dentro. Que bom! E olhem que nem assim adormeci em cima do teclado! Lá ficou feitinho, apenas com umas últimas arestas para limar. Nos entretantos, abri uma caixa de chocolates que estava aqui perdida e resgatei quatro chocolatinhos. Já passavam das quatro quando lá me dirigi ao meu quartinho e tentei por tudo que o sono me levasse com ele. Finalmente, as minhas preces foram ouvidas e o resto.. já não me lembro.

05 de Janeiro, 2014

Ontem à noite,

Inês

para não acontecer a mesma coisa da noite anterior, fiz um acordo comigo mesmo: se não estivesse a dormir às três da manhã, ia buscar o pc e fazer os trabalhos que deviam estar mais que feitos. O meu subconsciente deve ter tido mesmo medo e preferido adormecer o quanto antes. Pôs-se a contar os números e, juntos, chegamos até ao trezentos e tal. Depois, um de nós deve ter desistido que não me lembro de nada mais. As minhas aventuras noturnas são do melhor que há, certo?

04 de Janeiro, 2014

A minha primeira direta

Inês

Foi passada muito confortavelmente a rodopiar na minha cama com variadas pausas passadas na cozinha ou simplesmente a passear pela casa. Emocionante, não e? Qual festa ate ao amanhecer! Deste lado, e pela primeira vez, o sono simplesmente não existe e há cerca de seis horas que estou, pacientemente, a espera dele. Ate já ouvi o sino da igreja a dar as sete baladas, e depois a meia. Ah... que bonito e estar a nascer o dia e eu aqui fresquinha. Esta noite não cheguei a estar sequer aprofundada pela força dos sonhos e do descanso cerebral pelo que estou mais que pronta para o dia que ai vem. Ainda assim, tenho esperança de adormecer agora ou daqui bocadinho e dormir ate a uma. E desculpem todos os erros ortográficos mas no telemovel não há acentos para ninguém. Pronto. Já não há erros.