Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

24 de Junho, 2020

"Sempre esta sensação que estou a perder..."

Inês

A sensação de estar a perder a oportunidade de ter a melhor vida possível é, sobretudo, desgastante. É geracional mas também é uma caraterística muito minha. Geracional porque é sabido que os tais millenials e geração z são muito mais despegados das coisas materiais (tipo casa e carro) e valorizam muito mais as experiências sociais e de viagens, por exemplo. Ou secalhar não é bem assim porque no fundo muitos dos millenails querem é o Iphone mais recente, as roupas mais da moda e o carro que tem melhor aparência. Sim, secalhar não há características lineares. Está tudo uma mixórdia que é mais o "viva quem puder e como quiser". A minha mãe sempre disse que "eu quero tudo", "sou uma indecisa", "tenho pressa para tudo", "quero tudo à minha maneira" e sobretudo "nunca estou satisfeita". Normalmente, ela diz isto de forma negativa. Na verdade, há sim um lado negativo nisto que é esta instatisfação constante muito bem explicada na linda música "Estou Além" do grande Variações. Por outro lado, esta insatisfação é o motor da mudança que nos leva à tão falada "fora da zona de conforto" que nos proporciona os momentos mais felizes. Por outro lado, esses momentos deixam ficar o sentimento mais pesado e triste que é a nostalgia. Que é horrível e eu conheço-a bem. É um ciclo vicioso pela busca pela "felicidade". E, na verdade, nada disto faz sentido. Porque eu ando "adormecida" nesta vida de trabalho e os dias, as semanas, e os meses passam a correr sem que eu diariamente repare sequer no tempo a passar. O que acontece é que quando olho para trás e vejo o que alcancei nos últimos anos, apesar de ser alguma coisa claro, para mim é quase próximo zero. Há algo que me chama constantemente para uma vida que não tenho e me sussurra constantemente que eu poderia ser muito mais que isto. Desde os meus 16 anos que tenho essa visão. Fui de Erasmus e foi horrível e maravilhoso ao mesmo tempo. Aprendi com isso e voltei a sair no verão de 2017 (e ainda bem que fui nesse tempo apesar de todas as contrariedades!, não se repetiria) e foi só maravilhoso. E desde então que nunca mais tive uma oportunidade desse género e desde esse momento também nunca mais me saiu da cabeça a vontade tremenda de sair.

Agora estou agarrada a um emprego que nem sequer é bem pago (todas as minhas colegas de faculdade estão a ganhar mais do que eu). Faço algo que gosto mas não é exigente. Sinto que não estou a utilizar as minhas capacidades, nem de perto. Tirei uma licenciatura + mestrado e estou a fazer algo que alguém com 12º ano poderia executar. Tenho que mudar - claro, já sei - ia ser o meu plano de 2020 mas o covid complicou tudo. Passa a ser um risco muito maior mudar de emprego. Além disso tenho cordas familiares que aumentam ainda mais este risco. Se dependesse exclusivamente de mim, despedia-me, e partia à aventura. Inscrevia-me no worldpackers ou workaway e ia. Só ia. Ia custar claro. Apesar de ser muita a vontade, aposto que ia ter muitos momentos em baixo, sozinha e triste. Mas também tenho quase a certeza que iria ter muitos mais momentos felizes, no alto, a viver.

Pelo menos de uma coisa tenho a certeza: não iria ficar com o arrependimento de não ter ido. Isso é uma das coisas pelas quais sigo a minha vida: antes fazer e correr mal do que ficar sempre com a dúvida do que poderia ter sido.

Não consigo dominar
Este estado de ansiedade
A pressa de chegar
P’ra não chegar tarde
Não sei de que é que eu fujo
Será desta solidão
Mas porque é que eu recuso
Quem quer dar-me a mão

Vou continuar a procurar a quem eu me quero dar
Porque até aqui eu só

Quero quem
Quem eu nunca vi
Porque eu só quero quem
Quem não conheci
Porque eu só quero quem
Quem eu nunca vi
Porque eu só quero quem
Quem não conheci
Porque eu só quero quem
Quem eu nunca vi

Esta insatisfação
Não consigo compreender
Sempre esta sensação
Que estou a perder
Tenho pressa de sair
Quero sentir ao chegar
Vontade de partir
P’ra outro lugar

Vou continuar a procurar o meu mundo,
o meu lugar
Porque até aqui eu só

Estou bem
Aonde não estou
Porque eu só estou bem
Aonde eu não vou
Porque eu só estou bem
Aonde não estou
Porque eu só estou bem
Aonde não vou
Porque eu só estou bem
Aonde não estou