Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

24 de Agosto, 2021

9 dias de autocaravana de Lisboa a Portimão #9

Inês

O último dia desta aventura chegou demasiado rápido. Esta semana foi realmente fantástica para mim e cheia de sortes. Tive sorte em simplesmente se proporcionar juntamente com as minhas pessoas preferidas, tive sorte em as coisas em minha casa estarem estáveis de forma a eu poder estar inteiramente livre, tive sorte em estar bem-disposta todos os dias e tive sorte no bom tempo que apanhei (até nos esquecemos da água fria nas praias). Foram dias felizes. Ser a responsável também ajudou pois a minha cabeça tinha que estar focada no momento, no dia-a-dia, nos percursos, nos locais a visitar, na condução, nos parques, na segurança da AC, enfim, todo um leque de aspetos importantes que caíam sobre os meus ombros - e bem - e que me fizeram estar na experiência inteira e perceber a fundo o que é isto de viajar em autocaravana. Na verdade, devo admitir que há uns meses estava muito mais certa que ter uma autocaranava seria parte do meu fundo. Estava deslumbrada, encantada e apaixonada com a ideia. Agora, apesar de apenas ter confirmado o quão bem me adapto ao estilo de vida e viagem, penso noutras questões. Sobretudo que talvez não a usasse tanto quanto desejaria (mas talvez o cérebro esteja já só a inventar desculpas para deixar de lado esta ideia). Será uma reflexão para outra altura.

Mas bem, como dormi mal, acordei cedo. Abri a janelinha do quarto e vi logo o mar. Esta é uma das memórias para aguardar. Das coisas que valem a pena! Desci a escadinha do quarto, abri a porta e tinha ali toda a imensidão azul a dizer bom dia. Estava um dia bonito. Já muitos vizinhos estavam acordados, incluindo aquele com quem tinha conversado bastante na noite anterior. Entretanto, iniciámos o pequeno-almoço e voltei a aproveitar para sair da AC e simplesmente vir cá para fora olhar o oceano. Era a paisagem que mais queria ver. Era o que valia a pena. Entretanto, e de forma surpreendente, a GNR entra pelo parque adentro e passa à nossa frente com dois carros. Ficámos logo de alerta. Estaciona muito lá o fundo e depois começam a vir, praí vinte guardas bater à porta de cada carrinha. Como eram muitos, nem deu tempo para agir, quando dei por ela tinha um guarda ao lado - muito simpático, por sinal - a "fazer uma ação de sensibalização em relação à proibição de pernoita naquela zona e que, devido às horas, ficava difícil distinguir quem tinha pernoitado daqueles que tinham apenas chegado de manhã, pelo que não ia passar um auto". Mal abri a boca e uma vez mais agradeci ao universo a sorte de a GNR aparecer apenas à 8h30 da manhã. Em jeito de brincadeira, talvez a experiência de autocaravanista não ficasse completa sem uma conversa com a GNR. E, felizmente, uma conversa amigável. Foi uma bela forma de, até antes de arrumar seja o que for, pormo-nos na estrada e seguir para norte. Nem me despedi do vizinho, apenas trocamos um aceno ao longe.

Conduzir logo de manhazinha também foi bom. Não havia trânsito e estava fresco. O nosso objetivo para terminar a manhã era parar na Praia de Melides que seria a última paragem desta aventura. Porém, o nosso querido GPS enganou-nos e mandou-nos para a Praia da Lagoa de Sto André. Só nos apercebemos depois que havia efetivamente Melides e a Praia de Melides um bom bocado mais à frente no caminho. Já não parámos porque estávamos sem tempo. A Praia da Lagoa de Sto André não foi espetacular. Estava fresco por isso nem tirei a roupa (até me cobri com a toalha) e acabei por dormitar um bocado. Depois mais perto do meio-dia passou o Sr. das bolas de berlim e fomos à última bola da semana (e ainda bem pois não víriamos a comer mais nada o dia quase todo!). O engraçado deste momento foi que não tínhamos moedas suficientes para as bolas de berlim e o Sr. mesmo assim confiou-nos a tarefa de pagarmos por mbway. Mesmo depois de ele próprio dizer que não havia rede ali (mas eu tinha) e para enviarmos depois quando saíssemos da praia. Um ato de confiança enorme e que se encontra raramente (ainda por cima, por utilizar uma ferramenta bastante nova e moderna, e até utilizada muitas vezes para fins desonestos, entre gerações tão distintas). Lá enviei o dinheiro e espero que ele tenha ido confirmar.

Na meia hora iniciámos a grande viagem de regresso. O calor começou a ser cada vez maior e passar naquela zona de Alcácer do Sal foi penoso. Tivemos que parar no Intermarché para fazer as limpezas de forma a deixar a AC impecável. Fizemos uma senhora limpeza (qual treino de ginásio!). Debaixo daquele sol abrasador e do stress de estar em contra-relógio, saímos as três encharcadas em suor e vermelhas que nem tomates. Tenho a certeza que entregámos a carrinha melhor do que a recebemos. Aliás, os proprietários quando a receberam, apenas disseram que "alugar a raparigas é um espetáculo". Acabámos por nem comer a tarde toda porque não houve tempo. Já devíamos saber mas uma viagem de AC demora sempre o dobro do tempo que o GPS indica. A velocidade não passava dos 80 km/hora e essa será a velocidade máxima porque na maior parte da viagem, foi muito menos que isso. Além disso, apanhámos trânsito na autoestrada pois era a mudança de quinzena e milhares de pessoas estava a voltar do Algarve. E eu ali debaixo do sol, naquele pára-arranca chatinho. Uma das coisas que me dá mais gozo (apesar de errado, eu sei) é o multitasking a conduzir. Ora vou bebendo a minha água, ora vou pondo protetor-solar no braço que está a assar. E girar o voltante só com uma mão? Eu devo ter sido camionista noutra vida. Eheheheheh Um dos carros que passa ao meu lado, naqueles 20km/hora, brinca comigo pedindo também protetor para pôr. Eram umas miúdas também e estavam divertidas. Teve piada.

Atrasadas 15 min, finalmente chegámos a Lisboa (e conduzir em Lisboa? Se já metia medo se fosse em carro apenas, conduzir pela primeira vez de AC na capital foi, sem dúvida, das coisas que mais temia, à parte de ter apenas deixado ir abaixo no meio de uma rotunda, foi tranquilo). A entrega da AC foi rápida e tranquila, sem quês, não fossemos nós pessoas decentes e eles jovens que confiaram logo no pouco que viram. Deu pena entregar a Mercedes mas não havia muito tempo para parar. Estávamos cheias de fome e com um autocarro para apanhar. Depois de uma rápida visita ao Mcdonals no Vasco da Gama (eu considero-me uma pessoa de cidade mas que grande confusão de shopping... tanta gente que até incomoda), lá fomos para a paragem e tivemos uma agradável viagem de regresso ao Porto. Cheguei a casa, bastante tarde, para lá das 23h. Voltei para a minha Fofinha de quem tantas saudades tinha.

Foi uma viagem em grande. Um pequeno sonho tornado realidade. A aventura de 2021. Curioso escrever este post que marca o última dia da aventura no dia em que, de forma absolutamente surpreendente, abro o Sapo Blogs e vejo que estou em Destaque mas destacadíssimo com uma grande foto das minhas amigas na autocaravana. Que orgulho, por um lado, e que frio na barriga, por outro. Nunca tinha acontecido ter este tipo de destaque (e eu gostava de ter feito os posts mais arranjadinhos e as fotos com legenda, mas pronto, fica assim, de forma crua). Conforme a descrição do Destaque, "O relato numa série de posts da Inês de uma viagem de auto-superação pela costa vicentina." Viagem de auto-superação. Sem dúvida que foi. Até há pouco, quando mostrava orgulhosamente vídeos meus a conduzir a AC a colegas de trabalho, ouvi "fiquei tua fã". Para mim, entrar nesta aventura deu-me muito entusiasmo. Até por ter sido acompanhada das minhas pessoas preferidas. Mas por outro lado, não duvidei muito que adorasse e me saísse bem. Ou melhor, por muitos desafios que tivesse, e coisas que corressem menos bem, eu sabia que o resultado seria positivo. Também não pensei muito, não fiz muitos planos. Adaptaria-me bem à realidade e estaria pronta para o que aparecesse. Assim, de forma natural. É o que me faz sentido. Agora, que venha a próxima aventura que estou mais que pronta!