Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

26 de Maio, 2022

For all the wrong reasons

Inês

Eu não quero estar numa dating app. Não acredito nelas, não gosto delas, não sinto necessidade. Não sentia necessidade de encontrar alguém antes de me vires dizer que tu estavas a encontrar várias pessoas. Porquêeeeee? Afinal sou tão frágil. Não acredito em amores para a vida toda, não acredito no ciúme e agora passo o dia a roer-me por não estares aqui comigo. Sentimentos e emoções que eu tinha ultrapassado e que me fizeram tão mal e agora vejo-os a burbulhar novamente. Que raiva, na verdade! Pior que a possibilidade de te perder é perder-me a mim própria e aquilo que já tinha conquistado para mim, como adulta. É uma merda, na verdade. E era um dos meus receios. Pensei que fosse mais do que sou afinal. Também acho que aqui a semana de isolamento do covid tem a sua quota parte de culpa porque não me sobra muito para fazer, só pensar mesmo.

Na páscoa enviaste-me mensagem e ainda não tinhas mais nenhuma "ela" na tua vida e vieste a mim. Foi fixe e eu pensei que ia ser mais do mesmo dos últimos dois anos. Provavelmente seria se não me surpreendesses com as "elas". A evidência passada só me demonstra que seria assim. Eu ia seguir a mesma linha se tu também tivesses na mesma. Mas não. Afinal sou influenciável e quebrei a minha estrutura quando tu te mostraste diferente. Não desinteressado porque a nossa química estava lá a queimar-nos aos dois. Mas também falavas com interesse das outras. E eu só tenho que engolir porque sempre te dei à vontade para tal. Simplesmente nunca o tinhas feito.

E então sinto uma pressa enorme em te chamar a mim novamente, resgatar-te, oferecer-te a minha casa, construirmos o nosso canto que era o que querias. É mau da minha parte eu sei, mas dói-me também e estou com dificuldades em lidar com esta nova dinâmica.

E eu o que quero? Eu sei lá! Estou neste corda bamba há anos já! Passo a vida a pensar sobre o que quero e só tenho dúvidas e questões. Os outros sabem ou estão todos a fingir ou vão todos na manada do que sociedade dita ser o normal? Também tenho que o fazer? Porque ao fim ao cabo já o faço em alguns aspetos da minha vida. Tenho um trabalho das 9h às 6h. Vou ao ginásio três vezes por semana como se recomenda. Só me falta preencher um vazio romântico e afetivo.

E custa-me tanto acreditar que hei-de encontrar alguém mais perfeito que tu. Perfeito, tipo adequado. Já me conheces tão bem, os meus defeitos, as minhas virtudes, as minhas piadas, os meus gostos. E eu os teus. Será que quis demasiado da vida? Custou-me muito terminar a nossa relação. Foi das decisões mais difíceis da minha vida e tomei-a plenamente. Na altura pensei que a vida não podia ser só isso, que mesmo que fosse, eu não o queria. Que tinha que haver mais. E, mais importante, o sentimento acabou e não o soubemos reconquistar. Agora passado tanto tempo, o sentimento já esteve on e off várias vezes. E agora está on outra vez, claramente para mim. Tu não mereces esta instabilidade. Será que com os outros acontece o mesmo e eles não se deixam cair? E eu fui fraca? Desisti cedo demais, vezes demais?

E depois a lengalenga que há tanta gente no mundo e tu só tens 25 anos e claro que vais encontrar alguém e porquê que eu não acredito nisso? Porquê? Eu não quero encontrar mais ninguém neste momento. Só tu. Então porquê que estou a perder tempo nas dating apps? Estou a tentar enganar quem? Eu sei que não quero estar lá. Quero provar-me a mim própria que consigo mas sem motivação para me esforçar.

Penso em todos os cenários porque, sejamos honestos, eu tenho que pensar muito bem sobre o que dizer e o que fazer. Não posso admitir-te todos os meus pensamentos porque se/quando eles mudarem, vou-te perder uma vez mais, além da minha credibilidade e dar mais razão à instabilidade e impulsividade que me são características. Aguentar estar calada e quieta pacientemente é das cenas mais desafiantes. Mas é sem dúvida o mais sábio a fazer neste momento. Manter-te por perto, ver no que as tuas aventuras dão, talvez em algum tempo até sejas tu a querer voltar. Ser paciente, puxar a minha carência para baixo (talvez aqui as conversas no tinder possam ajudar, se efetivamente houverem conversas que puxa é dificil!), e, por favor, sair de casa e voltar à minha vida que aqui em casa já não aguento! E afinal estou a queixar-me do quê? Em três semanas estivemos juntos três vezes e na próxima segunda, se tudo correr como planeado, estarás cá novamente. São só mais três dias.