Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

22 de Outubro, 2022

Life Planner e um texto que se descontrolou

Inês

Vi um storie no Instagram de um casal conhecido e a sua Wedding Planner. Uma pessoa que lhes vai explicar, mostrar opções e concretizar tudo o que envolve essa coisa que é o casamento. Eu queria uma pessoa igual mas para a minha vida neste momento. Alguém que chegasse à minha beira e me arranjasse a cara e ficasse mesmo bem sem eu ter que decidir o que é bem. Que me dissesse quais os cremes que tenho que usar para estas manchas vermelhas teimosas desaparecerem. E quais os produtos indicados para o cabelo porque está uma miséria e detesto sempre que me olho ao espelho. Que me dissesse se ando a comer amêndoas a mais ou pão a mais e qual é o pão afinal que faz bem. Que me dê uma solução para as putas das minhas olheiras que não desaparecem mesmo a dormir sete horas há meses. Que me dê uma solução para a tensão nos ombros e para os tremores na cara (porque agora não é só na pálpebra, vai até ao musculo das bochechas). Que me prepare as refeições para eu ter uma alimentação de jeito porque à mãe nunca apetece cozinhar. E que vá ao mercado comprar as minhas coisinhas para o dia-a-dia porque a mãe estourou o dinheiro todo do meu cartão e eu continuo com o frigorífico vazio e ainda não acabou o mês. Que me ajude a organizar o trabalho porque pela primeira vez em anos consegui ter a caixa do Outlook a zeros (yey) mas depois o chef deu-me uma tarefa nova e tenho que descobrir um monte de conceitos novos e há merdas que não me entram mesmo na cabeça e sinto-me burra do início ao fim. E que acabem os estúpidos horários das 9h às 18h do escritório. Estou tão farta de ter um horário (eu sei, há coisas mt piores). As conversas de toda a gente são sempre as mesmas e irritam-me solenemente a níveis de me sentir a ferver por dentro.

E a minha mãe, a minha mãe, a minha mãe... A luz ao fundo do túnel continua a apagar-se e os gastos em vão acumulam-se. A conta não sobe há meses e todos falam que o próximo ano vai ser muito pior. Não consigo evitar chatear-me com a mãe porque me sinto sozinha nesta batalha de levar a vida de ambas para a frente. Mãe, o tratamento da acupuntura para deixar de fumar está a resultar? Filha deixa-me, não sabes o que é ter um vício. Mãe, podes ir buscar iogurtes? Só chego a casa às dez, não consigo ir eu. Não tenho dinheiro, transfere. Mãe, há jantar? Não me apetece, não tenho força nas pernas. Mãe, levanta-te, não podes ter passar os dias na cama. Inês, não imaginas como me sinto! Mãe, temos que nos sentar e fazer contas. Inês, não sejas egoísta, achas que não sei gerir o dinheiro? Mãe, temos que falar sobre assuntos sérios. Não é o dia. Nunca é o dia. Inês, tem calma, tem paciência, tu não sabes o que a tua mãe já sofreu, não podes exigir, não estás a ser compreensiva. Então qual é o meu papel? Podemos admitir já que a minha mae nunca vai ficar bem e vai sempre pior? Podemos parar de tentar? Estou muito cansada de tentar.

E o R. Gosto tanto dele. Quero-o tanto, todos os dias, todas as noites. E ele longe. Volto para casa, para uma cama vazia e isso é o que custa mais. Esse vazio, essa falta de afeto. Desejo mais e a impossibilidade de partilhar uma vida com ele cresce e deixa-me triste, frustrada. Entro na espiral catastrófica de que nunca vou encontrar ninguém com quem partilhar a vida.

E de repente sinto-me numb. Hoje deve o ser o dia mais feliz do ano porque o meu sobrinho nasceu. Quando soube, há meses atrás, senti uma felicidade imensa. Até me lembro de gritar na rua ao ouvir o meu irmão. Ontem o dia deles foi todo no hospital. O parto foi demorado e eu não senti nada. Procurei saber pouco (também sei que não gostam de muito atenção e preferem viver este momento a dois) mas eu não senti nada. Hoje acordo com a mensagem e a foto. E sinto nada. Estou avariada. Estou crashada. Estou buggada, como diz a minha irmã. E então penso é agora, tenho que ir ao psicólogo. Está toda a gente avariada à minha volta e os genes não estão a meu favor. Devia tratar antes que um dia seja demasiado tarde. E olho para a conta e o dinheiro, sabe-se lá como, só desaparece. E então acho que não devo meter-me noutra agora. E continua tudo confuso. Escrevo papéis, textos, listas, faço contas. Meto cá para fora a ver se fica mais vazio dentro. Não fica. Sinto tanto barulho à volta. Tenho procurado mais o silêncio. No carro, em casa, no trabalho. Desligo a música mais vezes. Procuro mais o silêncio. Sinto tanto barulho à volta. É tanta complexidade. Tantas coisas em que pensar. E depois sinto-me numb ao mesmo tempo. Não sinto nada. E quando sinto, choro.

313851302_1143888053223303_7951046748220662830_n.j