Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

28 de Janeiro, 2023

Fui ao psicólogo #4

Inês

Esta semana fui novamente conversar com a psicóloga. Sentia-me bem e não havia nada que quisesse realmente abordar. Aliás esta consulta foi bastante espaçada da última e foi adiada pois iria calhar no dia em que a Fofinha partiu. Ela começou por aí e entendo a necessidade mas chutei logo o assunto para a minha mãe, pegando no facto de a perda da Fofinha ter um impacto muito maior na vida da minha mãe do que na minha própria e, isso sim, causar-me preocupação. Sinto que sofri bastante mais em cada crise passada no veterinário nos últimos dois anos. De certa forma até me sinto insensível por ter aceitado tão bem o desaparecimento da Fofi. Assim como, apesar de toda a preocupação, encarar de forma muito prática todos os contratempos e problemas de saúde da minha mãe. Por exemplo, neste momento ela está com uma anemia grave e eu ouço isto e permaneço igual. É grave? Haverá uma escala concerteza. Em tempos ouvi o PeterCastro dizer a nossa geração cresceu a ver desgraças e catástrofes na televisão. Foi ataque às torres gémeas, terrorismo, catástrofes naturais, pandemia agora recentemente, noticiários, filmes... tudo espetado nos olhos de crianças e jovens a moldar expectativas. Uma pessoa habitua-se à desgraça e molda-se. Torna-se dormente. Talvez insensível. Com sorte torna-se racional e prática. É a mesma história do lobo e do menino mentiroso (é assim?). Depois de tantas "urgências" e períodos negros, mais um problema, por muito alarmante que soa, já não tem impacto. E depois disto, ainda há culpa para sentir. Sentir culpa por não sentir nada. It's all fucked up. Mas enfim. Neste momento a minha mãe está em Lisboa na casa de uma amiga e o melhor sítio para melhorar. Em casa só acumula doenças e piora o seu estado de saúde. Não se governa e não se deixa governar. Lá, fica melhor e ficamos todos mais descansados.

Falamos quase hora e meia sobre ela e sobre possíveis futuros. Expus a forma como sinto que estou num possível momento de viragem. A Fofi era a cola que nos juntava. Sem Fofi há outras possibilidades. A minha mãe está cada vez mais débil e dependente. E, além da minha mãe, as minhas tias. Pela ordem natural das coisas eu seria o suporte delas, cada vez mais preciso e em cada vez mais áreas. Tornaria-me a cuidadora. E apesar de ser o papel mais natural para mim, quero fugir dele. Quero muito que a minha mãe esteja bem mas apesar de sentir que isso não é uma realidade possível, chegar lá não é uma realidade que eu aguente. Vejo isso de forma cada vez mais clara. E teria que me anular completamente e passar a minha vida para segundo plano (como a minha mãe fez com os pais dela tantas vezes). É nobre mas é um erro. Foi para ela e seria para mim. E eu aprendo com os erros da minha mãe. Não é uma realidade natural nem desejável. E a psicóloga ressalvou precisamente estes pontos, mas noutra abordagem até. Que eu não seria a pessoa adequada nem habilitada para tal e que há outros sítios seguros onde as necessidades são corretamente asseguradas e que a ideia de serem sítios maus tem que ser esclarecida e talvez introduzida devagarinho à minha mãe. Enfim parece-me uma realidade muuuito longínqua e mesmo impossível mas o que é certo é que este é o tempo de pensar no futuro e colocar todas as hipóteses em cima da mesa e de todas escolher a menos má. Pois não definir nada é ficar nas mãos da sorte ou do azar e tudo se pode tornar muito pior muito rapidamente. E apesar de me parecer muito doloroso pegar neste assunto, não o fazer é assinar a minha própria sentença e tendo a informação, o juízo e os recursos atuais, é o mais inteligente a fazer.