Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

14 de Fevereiro, 2023

Thoughts on week 6 and 7

Inês

A semana passada foi um bocado merda e esta está a ir pelo mesmo caminho. Não aquela merda mesmo de energia em baixo mas mais naquela vertente em que sinto que estou só por aqui a navegar sem grande intenção. Na semana passada também estive doente, com uma grande gripe. Sentia-me fisicamente mal e tinha zero vontade de produzir seja o que fosse. Nestes últimos dias sinto-me melhor mas a vontade continua em mínimos. O trabalho vai fluindo sem grande urgência nem pressão. Treina-se ao final do dia na esperança de sentir alguma satisfação adicional. Levanto-me a pensar quando me posso deitar outra vez. Está frio e acho que tudo é chato (pelo menos a minha dermatite no rosto parece estar praticamente curada; não foram os 50€ que gastei na dermatologista que me resolveram mas sim uma recomendação de uma colega de trabalho; enfim, está resolvido). Só penso na sexta, altura em que o vejo outra vez, para umas mini-férias de carnaval. Não creio que viver uma semana inteira só a pensar na sexta seja uma boa forma de viver. Mas também desengane-se quem acha que a vida pode ser diferente. Saber que à sexta vamos ser felizes já é uma grande sorte. Até lá ser apenas funcional já é bom. A minha mãe continua em lisboa, já lá vão três semanas. Parece que está bem e isso é bom. Eu tenho estado muito pouco tempo em minha casa. Acho aquelas paredes muito vazias e sem grande sentido. Não há objetivo ali sem a Fofi e sem a minha mãe. E quando a minha mãe vier e sentir o vazio vai ser mil vezes pior. Por isso, acho que se torna mesmo necessário adotar outros amigos de quatro patas. Ainda que nada substitua a Fofi e eu não procure nada que a substitua, secalhar tenho só que perceber que me tornei este tipo de pessoa que necessita e para quem faz todo o sentido ter animais de estimação. E mais ainda a minha mãe. Apesar de todas as limitações que isto nos traz, o amor e carinho que se recebe e que se dá a outro ser ultrapassa em larga escala. É necessário e faz sentido para mim, para ela e para ambas. E terei que encarar mais à frente a necessidade de me desapegar quando o momento chegar. Tenho que ser forte e racional e fazer o que é preciso, quando é preciso. E neste momento o preciso é adotar dois gatitos e assim aumentar a chance de estar bem. A saga com o R. lá continua. Às vezes cai-me mais a ficha e venho-me abaixo ou fico com aquela sensação estranha e prolongada de quem só está a fazer merda da vida. Ouço-o dizer que já pensou em vivermos juntos, de que está cansado de mentir e que secalhar tem que parar de mentir lá em casa, que quer é ficar comigo para sempre (seja lá o que isso significa), que pensa muita coisa que não me pode dizer já, que quer fazer férias comigo agora no carnaval, na páscoa e no verão, férias grandes como os casais verdadeiros fazem. E eu ouço isto com um brilho nos olhos como se fosse aquilo que eu quero. Na realidade sei perfeitamente que não irá acontecer. Enquanto ele conseguir ter os dois mundos, terá e não o condeno por isso. Não o condeno de todo. Meti-me nesta situação e sabia desde início o quão complicada era. Meti-me na lama e agora há que lidar. A minha mãe diz para eu aproveitar e ser feliz. Não acho que seja o melhor conselho mas é aquele que quero ouvir. Não sei o quão mal ficarei no fim desta história. Quantas oportunidades estarei a perder noutros lados. E ele diz-me, entre conversas ciumentas (que para mim são uma autêntica novidade e até me aquecem mais o coração) que não me quer prender mas que ficaria triste se eu estivesse com outras pessoas e, de alguma forma, sempre que isso acontece desentendemo-nos. E eu própria fico com a sensação de estar a fazer algo errado, apesar de tudo ter sido falado antes. Porque para mim é errado. Se já sei quem a minha pessoa, se já a encontrei, não vejo objetivo em procurar mais. Quero isto e ponto. E depois penso em como claro que não ia ser tão fácil. Claro que não. E debato-me outra vez com a mesma parede: quão errada estou eu nesta vida? Quanta merda estarei eu a fazer? E vem o diabo chamar-me à atenção e responsabilizar-me pelas minhas decisões (porque é mesmo isso que o diabo faz). Independentemente do final desta história, aproveita-a se é isso que queres, em consciência que o fizeste. É a única coisa que controlo no momento. O saber que estou a viver de acordo com a minha decisão. O que vai sair daqui é outra história e fica para a inês do futuro se preocupar.