Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

06 de Outubro, 2021

De volta onde fomos (e somos) felizes

Inês

Uma ponte e um feriado convidam sempre a umas mini-férias. Tanto é que já estou de olho no um de novembro que calha à segunda. Mas este fim-de-semana tivemos o previlégio de ter quatro dias livres e portanto pus a cabeça a pensar em alguns planos. Planos esses que não foram para a frente porque o meu irmão à última hora me sugeriu irmos num plano de irmãos dar um salto à costa vicentina. Eu, ele, a namorada dele e os dois irmãos dela. Éramos cinco irmãos. Ir à costa vicentina tem sido sempre um prazer. E neste caso também foi especial porque nenhum deles tinha estado nesta zona. Pessoalmente, achei pouco prático ir este fim-de-semana porque, em primeiro lugar, em vez de quatro dias eles só quiseram estar fora três dias (que desperdício) e segundo, porque desses três dias, praticamente um dia inteiro foi para a viagem de carro. "Pior", ficámos num único alojamento nas duas noites pelo que exploramos pouco o tanto que havia para explorar. Mas bem, ainda assim deu para passear bastante. Fomos à Praia do Samouqueira em Porto Covo e a água estava ótima! Não fosse eu não ter bikini nem a depilação em dia, certamente teria dado para um mergulho. Passamos pela Zambujeira do Mar (mas curiosamente nem fomos à vila), Praia do Carvalhal, Praia da Amália, Odeceixe e Vila Nova de Mil Fontes. No regresso ainda parámos na Nazaré para ver o primeiro e último pôr-do-sol do fim-de-semana prolongado. Foi giro, mas caro. Não fui eu a escolher os restaurantes nem o alojamento e fico sempre um bocado melindrada quando pela força das circunstâncias sou obrigada a gastar muito mais do que aquilo que em situação normal aconteceria (e uma vez mais a puxar pela minha veia de viajante desacompanhada). Porém, decidi para mim que não me iria incomodar. Iria apenas estar presente e tentar ser boa companhia (até porque eles os quatro tratam de complicar o quanto baste) e relembrar as paisagens mais bonitas que já vi. Partilhar uma viagem destas com o meu irmão é também algo que não perco por nada. Porque é raro, infelizmente.

13 comentários

Comentar post