Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

10 de Setembro, 2014

O Primeiro Dia

Inês

Ontem foi o meu primeiro dia na universidade. Não a sério, só a matrícula e mais um montão de assuntos que precisavam de ser tratados. Mas foi o primeiro contacto com as pessoas, as instalações, o sistema, este mundo novo. Não consigo deixar passar a maior dor de cabeça de sempre que já tive que foi ontem ao final do dia quando finalmente acabei por sair do Campus. As filas, a ansiedade e a pressão estragaram-me o sistema todo por dentro ainda que inconscientemente. Não é que estivesse muito nervosa. Queria estar lá, queria que tudo começasse. Adorei estar lá. Mas o tempo de espera faz aumentar exponencialmente os nervos que nem sabia que existiam. E depois há uma certa pressão, porque há, para parecer descontraído, sociável, de bem com a monstruosidade da mudança. No final, não consigo pensar em nada que tivesse corrido menos bem. Fiquei muito surpreendida com a qualidade dos serviços, do sistema, a proximidade das pessoas, tanto colegas como assistentes sociais da universidade, com a boa-disposição de todos, o acolhimento, as brincadeiras, o à vontade. A integração não é dos processos mais fáceis. Para alguns é mesmo o pior. Ajuda-me pensar que, como eu, existem muitos e muitas e que estamos todos nas mesmas circunstâncias. E é bom aperceber-me que outros também pensam como eu quando falo com eles. Ontem, meti conversa com umas raparigas do grupo em que fui colocada e era percetível a igualdade do nosso estado: nervosas, ansiosas, pouco à vontade mas com imensa vontade de comunicar e criar desde logo ligações para que todos ficássemos mais confortáveis e acompanhados. Acompanhada e apoiada foi como mais me senti ontem. Como se fosse um objetivo supremo para o Campus: integrar, apoiar e acompanhar os novos alunos. Nós somos o centro em tudo aquilo e isso faz-me sentir bem, especial, integrada, apoiada e bem acompanhada. O sistema está bem desenhado e resulta. Outra surpresa foi conhecer tanta gente da minha terra lá que nunca antes tinha visto. A grande maioria era de cá mesmo e isso originou umas situações engraçadas. Outra surpresa foi ver que quase todos se mudam para perto da universidade assim da noite para o dia. Cá em casa, quando falava sequer em sair era o maior problema do mundo. Depois foi se simplificando e agora é quase ponto assente. Ontem quando me informei sobre as residências universitárias e ouvi "a menina vai ser alojada na próxima segunda" fiquei chocada. Que eu quero sair de casa não é novidade nenhuma. Já quis muito mais, diga-se. Estar aqui tem sido bom, sem stresses mas arranjar o meu espaço continua a ser prioridade. Mas adiante, eu fico chocada e a minha mãe sai dali a chorar. Estava mais nervosa do que eu. Foi tudo muito mais estrondoso para ela e eu entendo. É uma mudança gigante e se eu anseio por ela por mil e uma razões, a minha mãe receia tal coisa. Mas apoia e eu apoio-a a ela que precisamos as duas. Sobre o meu horário só poderia dizer maravilhas não fossem as aulas de duas horas que me assustam. Tenho um dia livre e tudo! Ah sortuda! :D De resto, fala-se muito em festas, bares e festivais. Já em Outubro teremos o 'Integrate' especialmente concebido para o caloiro. Esse mundo também me assusta um bocadinho. Não sou de festas e não quero fingir uma coisa que não sou. Não sei se gostarei do ambiente. É algo a experimentar como tudo o resto. A próxima semana vai ser das mais cheias, exaustivas e divertidas da minha vida, acredito. Tudo é para a semana. Não sei ao certo o quê mas tenho a certeza que me ficará na memória e que adorarei. É esse o espírito!

2 comentários

Comentar post