Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

27 de Junho, 2022

O tentar e Inteligência Emocional #2

Inês

Este mês já está quase a acabar e nem se ainda bem ou ainda mal. Têm sido dias difíceis de definir. Continuo na luta a tentar tirar-te da cabeça. Não é fácil. Na terça passada estiveste cá e sem haver nada que o justificasse o meu corpo começou a panicar ainda antes de chegares. Dor de barriga, fome e vontade de vomitar, corpo a tremer e dores de cabeça. Demorei 30 min a comer um mísero croissant e até era dos bons. Estava bloqueada mas sem grandes razões para isso. Depois lá começamos a falar e sem conseguir evitar as lágrimas saltaram logo. Num ato de desespero (e a assumi-lo), pedi-te que caso começasses a namorar antes do meu aniversário que me mintas porque eu já detesto o meu aniversário, pior será se souber de tal notícia. Não sei se serás bom a fazê-lo (nunca és) mas fiz o pedido para me proteger e tentar que corra bem este ano. É um tiro no escuro. Sei que me protegeria melhor se me afastasse de vez de ti mas nem ponho essa opção em cima da mesa. Custa demais e sou fraca. Sempre fui de aproveitar o que a vida desse, apesar das consequência. Portanto, it´s typically me. Tenho-me esforçado para lembrar todas as razões pelas quais não resultámos e portanto também não ia ser à terceira vez. Tenho tentado ocupar-me o mais possível. Ressuceitei dois grupos de amizade que já não se reuniam há meses e meses e saí todas as noites deste fds. É fixe ter a Joaninha que é a companhia perfeita para estas ocasiões e mesmo aqui ao pé de casa. Porém, admito que são esforços ligeiramente em vão. Posso estar fora de casa e no meio de uma multidão e a tua cara cruza a minha mente centenas de vezes. Vejo-te em quase todos os rapazes e vejo-nos em quase todos os casais. É ridículo de tão verdadeiro. Fui ao São João e é só casais, não conseguia descolar a tua cara e o teu nome do que os meus olhos viam.

São só pensamentos a entrar que não consigo evitar. Mas como tenho aprendido mais recentemente, um pensamento pode ser só um pensamento e uma emoção pode ser só uma emoção. Um pensamento pode levar a uma emoção mas não é obrigatório que isso aconteça e também não tenho que pensar sobre esse pensamento, ou combatê-lo, ou torná-lo numa ação. Tu entras-me na cabeça e eu tento olhar para essa entrada com a distância possível. Distanciarmo-nos do pensamento como se o pensamento e a nossa cabeça não fossem a mesma entidade. Será possível? Estou no caminho de descobrir. Olhar o pensamento e não através dele, como se fosse uma lente que escolhemos ou não utilizar. Como se fôssemos um autocarro que conduzimos e entram pensamentos e emoções que ficam pelo tempo que desejarmos. São passageiros da nossa vida e podem sair logo na paragem seguinte. Entendo que o objetivo é empoderar-nos para sentirmos que temos o controlo, lá está, sobre os nossos pensamentos e emoções que é das grandes batalhas destes anos (e minha, sobretudo).

Porque, também como tenho aprendido, o nosso cérebro e corpo foram evoluindo a uma velocidade diferente da velocidade a que o mundo e as tecnologias evoluíram. Tivemos as revoluções industriais e tecnológicas e agora lidamos com as redes sociais que minam completamente a forma como o nosso cérebro está desenhado para funcionar. Ajuda perceber que não fomos feitos para isto: o stress, ansiedade, o saber que aquela pessoa está online ou esteve há x minutos e não escolheu falar contigo, saber que está em y sítio a divertir-se e tu em casa, saber que há uma guerra do outro lado do mundo e do mesmo lado até e ver imagens disso, os testemunhos profundamente tristes, etc. Há uma série de novas situações que estão a acontecer pela primeira vez na minha geração e mais jovens para as quais não fomos ensinados e, pior, o cérebro não consegue tratar. Egos, auto-estimas, capacidade de comunicação, relações, a nossa visão do mundo... E depois vêm as consequências. E como resolver? Pois, há soluções mais radicais que outras. Sair das redes, seria uma solução. Passar a viver a vida no raio geográfico em que realmente me encontro e não o do mundo online. Mas esse é muito radical e não creio que me fosse ajudar pois teria que ocupar esse vazio com outra coisa. Mas tenho pensado muito na meditação. No curso estamos a falar de minfulness e já me deparei várias vezes com técnicas de meditação, os yogas e etc. Sempre achei não era para mim mas na realidade nunca tentei. E para grandes problemas, problemas remédios. Falta-me tentar, porque estou numa de tentar tudo para ser o que já fui. Portanto, esta semana vou começar a tentar meditar, devagarinho, com os guias audios, poucos munitos e depois aumentando comforme me for tornando mais capaz. É um desafio que eu me auto-proponho. Isso e ir a mais aulas de boxe. Sei que não tem nada a ver mas eu naquelas aulas não tenho mesmo mais nada na cabeça. É prazer puro.