Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

Teenage Dirtbag

yound adult na tarefa árdua de tentar ser alguma coisa de jeito.

11 de Maio, 2022

Ontem porque "a vida são momentos"

Inês

Fomos jantar e a grande novidade é que conheceste alguém. Não. Falaste comigo antes de conheceres esse alguém e depois já não quiseste desmarcar porque até estás ok e queres colocar em prática isso de manter contacto com ex-relações porque faz mais sentido do que não manter (ou porque sabe melhor?). Concordo plenamente e fomos. Primeiro referiste esse alguém de forma muito vaga e disseste que não ias aprofundar mas passado um tempo contaste-me tudo sobre ela e sobre a vossa breve história. Descobrir que há uma "ela" deixou-me num misto de sentimentos. Há dois anos que esperava por isto para ver como eu própria reagiria a este situação. Por um lado, fiquei um pouco cabisbaixa porque a dinãmica muda e foi mais um choque de realidade no que toca a eu ser uma rapariga de 25 anos sem qualquer vida social, que não sai à noite talvez há três anos e não conhece ninguém novo há buéeeee. Fiquei triste porque eu estanquei neste aspeto da vida e tu acordaste e já estás a ter resultados e a conhecer pessoas e a curtir com elas e etc. Mas por outro lado, haver uma "ela" dá-me mais liberdade para brincar porque fiquei com menos receio que se confudissem sentimentos entre nós como noutros tempos. Porém, dei por mim a verter lágrimas a meio da noite porque me pesou a consciência em esticar a corda contigo agora que tens alguém no horizonte e no quão bitchy isso pode ser. Porque te poderia destabilizar, porque poderias ficar tu com consciência pesada no dia seguinte. Isto logo a seguir a eu admitir que era carne fraca. Ficaste com isso na cabeça. E sim sou e sim haveria muito a dizer mas não trago histórias à baila que só poderiam trazer coisas negativas para ambos. Na minha teoria, brincar é só brincar. A relação física é só isso e pode não passar só disso (ou não muito além) mas como sabemos um dos pilares sociais das relações tradicionais é esse limite à relação física com terceiros (lembra-me Dan Savage e o seu discurso "sex is just sex. you monogomous people put too much relevance on sex, so much that you end relationships because of it"). Mas cedi ali à pressão, verti umas lágrimas e ficaste muito surpreendido e preocupado genuinamente (até nem me lembro de te ver reagir assim) e agora olhando para trás esse momento não significou nada além de me lançar a mim e a ti naquilo que eu pensava que deveria evitar. Mas lançaste-te a mim, num cenário de filme, eu a conduzir pela VCI e tu com as mãos entre as minhas pernas. As tuas mãos quentes. Isso é do que sinto mais falta, sem sombra de dúvida. Não sinto falta de planos a dois nem jantares nem fins-de-semana nem viagens em conjunto, nem saídas de grupos de amigos e muito menos de eventos familiares e de prestar contas ou estar às mensagens. Sinto falta do corpo masculino, das mãos, dos abraços, do afeto, dos mimos (e eu sou muito pouco de mimos mas ya faz falta). E quando a noite tinha acabado e de uma forma muito natural já nos abraçávamos e tocávamos como se não tivéssemos estado cinco meses separados. Beijas-me tranquilamente e eu peço-te para passares a noite comigo. E agora já só queremos uma cama. E é tão fácil voltar a estar contigo. Há uma sincronia que simplesmente existe (e que se nota em força quando nos reencontramos passado tanto tempo e há fome). É muito mais fácil do que quando estiveres pela primeira vez com a nova habitante dos teus pensamentos. Mas pronto, a vida é isso mesmo. E por um lado penso no fácil que seria seguir uma vida contigo e até que podia resultar porque, olhem, ontem resultou tão bem. Mas depois lembro-me que daqui a uns meses ia cair no mesmo loop viciado de sempre e eu ia-me estar atirar às paredes para ter outra coisa. Mas que coisa? O que me reserva a vida? Serei capaz de dividir a vida com outra pessoa? Estou condenada a aprender? Ou conseguirei viver a solo? Bem, para começar tenho que me atirar de uma vez por todas a uma qualquer vida social. Tenho mesmo que começar a sair de casa e a conhecer gente. É absolutamente imperativo porque eu queixo-me mas nem tento. E tenho que tentar procurar algo ou alguém ou alguéns. Sair da minha zona de conforto. Forçar-me a isso.

3 comentários

Comentar post