Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

Teenage Dirtbag

Este blog é o meu diário. Mais para mim do que para vocês. Uma tentativa de arquivo de pensamentos. "Teenage" como quem diz... já são 25.

16 de Janeiro, 2014

Relações Interpessoais

Inês

Vamos lá ser diretos. É assim que este post será, revelando uma das minha grandes fraquezas que me esforço por esconder. Pensei, há uns meses atrás, ter este assunto controlado mas ele voltou. Sinto-me nervosa, ansiosa e desconfortável junto daquelas pessoas com quem falo (agora até bastantes vezes mas ainda não suficientes) pois não tenho grande confiança porque parece que há sempre uma barreira invisível que não permite um maior conforto geral (para mim e para eles). Descontrolo-me. Tremo, fico a arder, corada e suada e ainda sinto arrepios. E não estou a falar de uma pessoa especial, estou a falar das pessoas normais com quem convivo desde o inicio do ano que não são as mesmas de sempre mas já lá vão três ou quatro meses. Não entendo o meu corpo. Fico suuuuuper desconfortável. Disfarço e acho que até o faço bem mas detesto saber que, por dentro, estou num estado que não é aceitável para mim. Também devo dizer que considero que esta situação não resulta apenas de mim mas também das pessoas de quem falo que não são aquele tipo de pessoas fáceis e simples para falar. Isto com o meu nervosismo, é um desastre! Não daqueles muito grandes mas, sim, cria alguns momentos awkward dos quais eu fujo a sete pés com piadas ou estupidezes que me fazem um bocado parva, distraída e descontrolada. Faço os outros rir e esse é o ponto mais positivo mas também há momentos em que, simplesmente, não me apetece tentar criar ou melhorar o ambiente e, de uma forma ou outra, saiu também dessa situação mas com uma sensação pior claro. É algo que tenho que ultrapassar. O meu irmão disse-me, um dia, que o secundário era um local de aprendizagem nisto das relações com o resto dos mortais e, por isso, imenso erros são cometidos. Nada que eu não soubesse. Ninguém nasce ensinado e esta é a altura para aprendemos, mas quando, Inês, é que tu vais aprender? Será assim tão dificil que este corpo obedeça ao cérebro e se comporte em condições?